Contadas pelo IBGE (2017) em 6,7% de brasileiros, as pessoas com deficiência representam menos de 1% da força de trabalho formalizada do país; mas o voluntariado corporativo pode contribuir para mudar este quadro.

 

Neste novo artigo a #redecbve traz em perspectiva uma experiência de voluntariado corporativo de causa, com foco na promoção da inclusão das pessoas com deficiência. No case tratado, buscamos evidenciar como a ação voluntária pode ser uma ferramenta estratégica para mudar o capacitismo presente no mercado de trabalho, ao mesmo tempo em que atende às melhores práticas internacionais de gestão, especialmente as demandadas para o alinhamento à Agenda 2030 e para adoção dos Princípios ESG.

Seguindo a nova linha editorial adotada em 2021, que privilegia a diversidade de olhares e escritas sobre os temas retratados no âmbito da #redecbve, para esta edição convidamos Nubia da Silva Elias, coordenadora de Diversidade e Inclusão da Telefônica Brasil, e Bianca Beltrami, gestora de projetos da ASID, para organizar e assinar esta publicação com o CBVE. 

Para contextualizar os leitores na compreensão da pauta da inclusão da pessoa com deficiência, nas suas especificidades no contexto da pandemia, na atualidade e relevância da temática para o voluntariado corporativo, para o mercado, para o cumprimento dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável, e dos princípios ESG, iniciamos o artigo com um panorama geral sobre a temática, trazendo o posicionamento da #redecbve em relação à questão da inclusão e diversidade pelo recorte da deficiência. 

Na sequência, Nubia da Silva Elias nos traz a visão do negócio aplicada ao programa de voluntariado desenvolvido pela Fundação Telefônica Vivo, que alia o desafio corporativo da diversidade à iniciativas voluntárias que criam pontes e alargam caminhos em direção à conquista protagônica de direitos. Já Bianca Beltrami, apresenta de forma objetiva e concisa os resultados e ganhos compartilhados pelos atores envolvidos com o voluntariado inclusivo, mostrando com evidências e indicadores como é bom fazer o certo e o justo.

 

Clique aqui e conheça o conteúdo na íntegra.

 

O CBVE – Conselho Brasileiro de Voluntariado Empresarial

Nós somos uma #rede de empresas, institutos, fundações e confederações conectadas pelo voluntariado e pelo bem que ele promove. Nossos encontros e trocas geram conteúdo relevante sobre voluntariado empresarial que compartilhamos com a sociedade. Inspiramos outras pessoas e organizações a alinharem esforços em nome de um futuro compartilhado que não deixe ninguém para trás. Possuímos 20 entidades associadas e a organização da sociedade civil CIEDS realiza sua Secretaria Executiva. 

 

A Fundação Telefônica Vivo – FTV

O Programa de Voluntariado faz parte de uma ação global do grupo Telefônica, que atua há mais de 20 anos no Brasil, e tem como objetivo incentivar os colaboradores a se envolverem, cada vez mais, em ações que vivenciam valores como solidariedade e empatia em prol de um mundo mais justo e igualitário. Presente em 17 países, desde 1999, a Fundação Telefônica Vivo trabalha há mais de vinte anos para gerar transformação social, atuando como braço de responsabilidade social da Vivo, empresa que faz parte do Grupo Telefônica.

 

A ASID

A criação da ASID Brasil foi motivada por um contexto familiar, a história da irmã de um dos fundadores. A Laura nasceu com síndrome de Down e transtorno do espectro autista e durante toda sua vida enfrentou inúmeros desafios para se desenvolver. A partir da história dela e o contexto da pessoa com deficiência no Brasil, a ASID nasceu com uma missão: unir pessoas com deficiência, suas famílias, instituições, empresas e voluntários para construir uma sociedade inclusiva. 

 

O CIEDS

O Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável – CIEDS –  é parceira técnica da #redecbve, sendo responsável pela coordenação da Secretaria Executiva do Conselho. Com foco na construção de #redes para a prosperidade, têm em sua carteira mais de 620 projetos realizados, 10.000 voluntários mobilizados, mais de 2 milhões de beneficiários diretos e quase 4 mil comunidades apoiadas. Suas ações concentram-se em quatro eixos: a) Educação; b) Inclusão Social e Bem-Estar; c) Empreendedorismo; e d) Engajamento Comunitário

#RedesParaaProsperidade