A Fundação Itaú Social, em parceria com a Prefeitura Municipal de São Paulo, começa a implantar neste mês a 7ª edição do programa Jovens Urbanos. A ação, que conta com a coordenação técnica do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec), formará 960 jovens, de 16 a 20 anos, residentes nos distritos de Jardim Ângela, Cidade Ademar, Jardim Helena e São Miguel Paulista.

Para o desenvolvimento das ações, serão contratados 48 profissionais de ONGs locais, sendo 32 educadores e 16 coordenadores, que serão previamente selecionados e formados para a execução do programa.

As ações de formação desenvolvidas ao longo do Jovens Urbanos visam desenvolver competências e habilidades básicas para a vida pública e pessoal, ampliar o repertório cultural e social e promover o acesso dos jovens ao mundo do trabalho, além de incentivar a frequência e a permanência na escola, a fim de que possam completar o Ensino Fundamental e Médio.

As atividades realizadas com os participantes envolvem a exploração da cidade, experimentação, produção e expressão a partir da circulação no território, além da apropriação de diferentes tecnologias, por meio de oficinas tais como: fotografia, moda e design, arquitetura urbana, hotelaria, gastronomia, reciclagem, entre outras. Também serão implementadas intervenções na comunidade, por meio de projetos propostos, planejados e desenvolvidos pelos jovens.

Os temas abordados ao longo do processo de formação do programa são cidade, sustentabilidade e desenvolvimento local; arte e cultura da juventude; comunicação e novas tecnologias, sexualidade, gênero e saúde; mundo do trabalho e empreendedorismo; e políticas públicas para juventude. O programa prevê 16 meses de execução, sendo 10 meses de formação dos jovens e 4 meses de implantação dos projetos.

No ano passado, o programa dobrou o número de participantes na cidade de São Paulo, atingindo 960 jovens dos distritos de Lajeado, São Miguel Paulista, Grajaú e Ipiranga. A iniciativa também atendeu mais de 500 jovens em Pouso Alegre (MG), em parceria com o governo estadual de Minas Gerais, por meio do Poupança Jovem.

Expansão – Neste ano, o programa será expandido para o Espírito Santo e será implantado no município de Serra, território com alto índice de vulnerabilidade social da Região Metropolitana da Grande Vitória. Serão formados 480 jovens residentes na região e matriculados no Ensino Médio.

Impacto na renda e empregabilidade – A metodologia é desenvolvida desde 2004 pela Fundação Itaú Social, com a coordenação técnica do Centro de Estudos e Pesquisas em Educação, Cultura e Ação Comunitária (Cenpec). Em 2011, o Jovens Urbanos passou por uma avaliação de impacto, que indicou elevação estimada de 77% na renda pessoal e 49% da empregabilidade dos participantes, comparativamente aos níveis de renda e emprego de jovens não participantes.

O programa também teve impacto positivo sobre o hábito de leitura dos jovens, pois aumentou 7,77 o número de vezes que os participantes leram jornais, revistas e livros em relação aos que não participaram. Eles também aumentaram sua presença em cursos profissionalizantes e de capacitação profissional, assim como em movimentos sociais e ONGs.

A identificação do impacto do programa baseia-se na comparação do grupo de jovens participantes (tratamento) com um grupo de comparação (controle), que é composto por jovens da lista de espera, que se inscreveram no programa e que não foram selecionados para participar de determinada edição. Neste caso, a terceira edição do programa, realizada em 2007, foi o foco desta avaliação.

Histórico – As duas primeiras edições do programa Jovens Urbanos foram realizadas entre 2004 e 2005 nos bairros Campo Limpo e Brasilândia, em São Paulo. De 2007 a 2010 aconteceram a terceira, quarta e quinta edições do programa, que beneficiou os jovens dos distritos de Lajeado e do Grajaú, em São Paulo. A sexta edição, realizada em 2010, foi ampliada e contemplou os distritos de Lajeado, São Miguel Paulista, Grajaú e Ipiranga, em São Paulo. Em 2006, foi realizada uma única edição no Rio de Janeiro, nas regiões de Jacarezinho, Manguinhos e Santa Cruz.

Fonte: Fundação Itaú Social