Um projeto planejado e executado por trainees do Itaú reuniu 45 voluntários para promover várias melhorias na Associação da Aldeia de Carapicuíba (OCA), que atende diretamente 180 crianças, jovens e adultos do município localizado na Zona Oeste da região metropolitana de São Paulo.

Realizado pela Fundação Itaú Social, em parceria com a área de pessoas do banco, o projeto executado ao longo de mais de dois meses teve o objetivo de estimular a mobilização dos colaboradores para causas sociais, por meio do voluntariado, e ajudá-los a desenvolver competências consideradas importantes para a vida profissional. Entre elas, construção de parcerias, capacidade de negociação, planejamento, soluções inovadoras e liderança.

Para realizar a ação, os trainees passaram por várias experiências que iniciaram com uma palestra de sensibilização. Posteriormente, escolheram a ONG a ser beneficiada, efetuaram o planejamento, a captação de recursos e a execução do plano de trabalho. Cerca de 20 pessoas se envolveram com o planejamento, desde o início, pois assumiram a coordenação da atividade.  As demais atuaram no dia de realizar a ação. Para exercitá-la, desenvolveram parcerias diversas, entre elas com a Associação Brasileira de Odontologia, que ministrou uma palestra sobre higiene bucal para as crianças e adultos atendidos pela OCA.

Os voluntários fizeram a limpeza de uma praça próxima à ONG onde havia lixo espalhado, plantaram grama no trajeto que leva até a praça, criaram uma horta de temperos e instalaram uma lixeira para coleta seletiva perto da organização. Também coordenaram workshops de pintura rupestre, malabares e pintura facial indígena para crianças que frequentam a ONG.

De acordo com a diretora da organização, Maria Cristina Meirelles Toledo Cruz, a OCA já conta regularmente com voluntários em ações pontuais, mas estes costumam ter grande rotatividade. “A grande diferença desta vez é que se desenvolveu um trabalho eficiente, com começo meio e fim, planejado conjuntamente para atender expectativas da organização”, afirma.

Ela relata que a ação da equipe possibilitou a todo o coletivo – crianças, pais e equipe da ONG – perceber a força do grupo, que levou uma energia renovada e revitalizou vários ambientes e espaços. “Tínhamos um espaço demasiadamente ocupado que passou por uma faxina e tornou-se organizado, foi retirada de uma caçamba inteira de lixo”, destaca Maria Cristina, que conclui ter havido uma valorização do espaço por meio da ação.

Outro diferencial apontado por ela é que a atuação dos trainees priorizou a tradição brasileira nos workshops realizados na ONG, que oferece atividades culturais para crianças no contraturno escolar.

Para a trainee Mylena Mancilha, que participou como voluntária da frente de limpeza do ambiente externo e do planejamento, o envolvimento da comunidade foi muito positivo e surpreendente. “No período de planejamento, os maiores aprendizados foram trabalho em equipe, liderança e organização”, destaca. Mylena afirma ainda que desde o começo, o grupo se preocupou em identificar as principais necessidades e definir ações que tivessem resultados duradouros, para que fosse possível contribuir de maneira profissional e sustentável com organização, além do dia da visita.

O trainee da área de Cartões do Itaú e um dos coordenadores da ação, Franklin Jean Machado, natural de Entre Rios do Oeste (PR), avalia que a ação foi muito gratificante para todos. “Não só para o desenvolvimento pessoal e profissional, mas pela satisfação de estar ajudando uma instituição que nós mesmos escolhemos, devido ao grande trabalho que já é realizado. Sentimos que eles puderam ser reconhecidos, e esse sentimento foi compartilhado por todos os trainees. Sentimos uma carência que não era de dinheiro, mas de valorização”, afirma.  “Acredito ser fundamental reforçar a filosofia e a cultura do banco para os trainees, muitos deles de lugares distantes, como eu, que não têm conhecimento do grande trabalho social que é feito”.

Outro coordenador da ação, Gustavo Katz, voluntário há quase dez anos, disse que a ação realizada na ONG contribui certamente com o desenvolvimento das habilidades propostas pela área de pessoas, particularmente a capacidade de planejamento. “Foi sem dúvida uma participação muito importante para o meu desenvolvimento profissional”, conclui.

Fonte: Fundação Itaú Social