A Fundação Telefônica firmou convênio com o Instituto Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil (Inpeti) para contribuir com o fortalecimento dos Fóruns Estaduais das regiões Norte e Nordeste e das redes municipais de atenção à criança e ao adolescente, para o enfrentamento ao trabalho precoce. O objetivo é coordenar, juntamente com os fóruns, ações de mobilização, como campanhas, discussões pela Internet e realização de caravanas pelas cidades, visando à sensibilização da opinião pública .

O projeto vai apoiar os 16 fóruns estaduais previstos para 2012 e 2013, envolvendo 236 organizações que os compõem, além de 32 autoridades públicas e 160 crianças e adolescentes que participam dos eventos. A Fundação Telefônica também quer integrar as ações dos fóruns às da Rede Latino-Americana contra o Trabalho Infantil, lançada recentemente pela instituição na Internet e que já conta com mais de nove mil participantes.

Segundo a diretora de Programas da Fundação, Gabriella Bighetti, a expectativa é de que os estados se mobilizem para mapear e construir diagnósticos e, com isso, possam organizar planos de ação de combate ao trabalho precoce. “As formas de trabalho infantil que persistem no Norte e Nordeste, como o doméstico ou na agricultura, exigem uma atuação coordenada entre os atores sociais e de grande sensibilização da sociedade, para que o problema seja percebido como tal e possa ser enfrentado”, afirma ela.

O trabalho infantil afeta grande número de crianças no Norte e Nordeste do país. Segundo dados da PNAD de 2009, um total de 756.590 crianças entre 5 e 14 anos estava trabalhando nas duas regiões naquele ano, sendo 608.896 no Nordeste e 147.694 na região Norte. Entre as principais atividades desempenhadas pelas crianças estão lavoura, pecuária, serviço doméstico e comércio.

Há 11 anos, a Fundação Telefônica atua na defesa dos direitos de crianças e adolescentes no país, sendo que o trabalho infantil é uma das principais vertentes nesta área. Trata-se da principal iniciativa desenvolvida no âmbito do setor privado para lutar contra o trabalho precoce na América Latina e está alinhada aos Objetivos do Milênio, que propõe a erradicação das piores formas de trabalho infantil até 2015, e de todo trabalho infantil antes de 2020. A instituição atende diretamente a mais de 245 mil crianças e adolescentes no continente latino-americano, sendo aproximadamente 15 mil no Brasil.

Sobre o Inpeti:

O Inpeti foi constituído em 2003 com o objetivo de apoiar técnica e financeiramente o Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil, de modo a viabilizar suas ações na defesa dos direitos das crianças e adolescentes. Fazem parte do Inpeti pessoas físicas e jurídicas comprometidas com a causa.

Fonte: Fundação Telefônica