Mapa da Inclusão Digital

www.fgv.br/cps/telefonica

O levantamento será divulgado em coletiva para a imprensa – Quarta – Dia 16/05/2012, às  10:45  na Fundação Getulio Vargas – RJ. A coletiva será transmitida ao vivo no endereço https://cps.fgv.br/aovivo_telefonicafgv

CPS/FGV divulga dados inéditos sobre o mundo digital a partir dos microdados do novo Censo brasileiro e de mais de 150 países. O objetivo é subsidiar as metas de conectividade da ONU, do nível global ao local.

Este trabalho é o primeiro de uma série de estudos sobre inclusão digital fruto da parceria entre o Centro de Políticas Sociais da Fundação Getulio Vargas e a Fundação Telefônica no sentido de mapear as diversas formas de acesso à tecnologia digital, sua qualidade, seu uso e seus retornos proporcionando uma perspectiva de atuação integrada com outras ações que visam elevar o nível de bem-estar social de maneira sustentável. Buscamos motivar o debate em torno de ações contra o chamado apartheid digital.

Respondendo a perguntas diversas: Como evolui o binômio inclusão/exclusão digital no Brasil? O brasileiro vem acessando a Internet em seu próprio domicílio? Com ou sem banda larga? Quais são os locais de acesso mais usados? Casa, escola ou trabalho? As Lan houses ainda são relevantes? Qual é o principal empecilho dos “sem rede”? Educação, infraestrutura, renda ou interesse? Como desenhar metas e políticas de inclusão digital?

O estudo revela, por exemplo, que São Caetano (SP) apresenta o maior índice do país de acesso a internet em casa (69%). Em compensação, em Aroeiras (PI), esse percentual é igual a zero. No Brasil, 33% das pessoas têm acesso à rede em suas casas. Isso o põe em 63º lugar entre os 158 países mapeados pela FGV. O líder é a Islândia, com 94% de domicílios conectados – um índice igual ao da Barra da Tijuca, no Rio de Janeiro. Já Rio das Pedras, a favela vizinha, possui o menor percentual da cidade (21%), parecido com o do Panamá.

A pesquisa estará disponível no endereço eletrônico www.fgv.br/cps/telefonica após o lançamento.

SERVIÇO:

Coletiva de imprensa: Lançamento da pesquisa “Mapa da Inclusão Digital” – FGV e Fundação Telefônica

Data: Quarta 16/05/2012

Horário: 10:45h

Local: Fundação Getulio Vargas – Rua Barão de Itambi, 60 – Botafogo (Atrás do prédio principal) – Auditório da cobertura

Confirme sua presença através do telefone (21) 3799-6887 ou 6881 ou através do email cps@fgv.br   

*OBS: A pesquisa será transmitida ao vivo através do endereço https://cps.fgv.br/aovivo_telefonicafgv (contudo, solicitamos a participação presencial dos jornalistas na coletiva, pois pode haver eventuais falhas de sinal durante a transmissão)

Mais informações:

Há dez anos o Centro de Políticas Sociais (CPS)  lançou o Mapa da Exclusão Digital. O estudo foi o primeiro estudo baseado nos microdados do Censo Demográfico 2000 sobre qualquer campo gerado fora do IBGE. O Censo 2000, por sua vez, foi a primeira pesquisa domiciliar ibgeana a captar o acesso à tecnologia digital sendo seguido pela PNAD 2001. Como resultado o Mapa da Exclusão Digital foi o primeiro estudo brasileiro em escala nacional a tratar sobre o acesso, uso e impactos das TICs do ponto de vista das pessoas.

Voltamos agora a nos debruçar sobre tema usando os microdados do novo Censo em parceria com a Fundação Telefônica para divulgar em primeira mão informações sobre o mundo digital. A diferença é que a amostra do novo Censo permite entrar em detalhes geográficos bem mais finos. Por exemplo, se antes identificamos a Região Administrativa da Barra da Tijuca no Rio de Janeiro composta de diversos bairros como Barra e Recreio dos Bandeirantes e agora conseguimos detalhar o que acontece nas construções próximas da praia da Barra. Ou seja, abordamos a inclusão digital em sua área de moradia, trabalho ou lazer nos 5565 municípios brasileiros.

Os microdados do Gallup World Poll, por sua vez, nos permitem comparar o desempenho digital  e os seus determinantes em mais de 150 países. Mesmo no plano mais básico do simples acompanhamento de indicadores agregados, esta informação ainda não foi usada de maneira sistemática no âmbito internacional para monitoramento das Metas do Milênio das Nações Unidas relativas à conectividade. Exploramos a possibilidade de se monitorar evolução do uso das TICs  nos habitantes de todos os recantos do país e do globo, usando a mesma métrica, e estudar as suas relações com uma ampla variedade de variáveis sócio-demográficas, econômicas e subjetivas.  Por exemplo, como as gerações mais jovens e a nova classe média tem acessado a rede? Como a inclusão digital se relaciona com a felicidade reportada pelas pessoas?

À medida que se aproxima 2015, data final do compromisso do milênio fixado pela ONU, volta a discussão sobre as novas metas a serem perseguidas. A FGV participa de comissão internacional e  de seminários em Paris, Seoul, Beijing, Pretoria, Mumbai e finalizando com uma cúpula organizada por nós aqui no Rio de Janeiro  em torno da fixação de novas metas da ONU (Post-2015 Targets). Além de informar o cidadão comum sobre seu bairro, cidade e país vis-a-vis os demais, buscamos neste estudo subsidiar o debate em torno da nova meta relativa à conectividade proposta.  A incorporação efetiva de indicadores no âmbito dos compromissos do milênio talvez seja a maneira mais efetiva de transmitir indicadores, é transformá-lo numa meta de governos não só nacionais como locais, setor privado e sociedade.

Fonte: Fundação Telefônica|Vivo