A ação “Xadrez na Escola“, do comitê Carajás, em Parauapebas (PA), surgiu de conversas informais com alguns professores da rede de ensino público da cidade sobre a dificuldade dos alunos de assimilar conteúdos lógicos. A partir de pesquisas na internet, os voluntários descobriram metodologias para o estímulo do aprendizado, entre eles o jogo de xadrez. Inicialmente estão sendo formados 10 a 15 monitores em reuniões onde o grupo tem aprendido mais uns com os outros sobre o xadrez e de que forma o jogo deve ser ensinado. As aulas serão realizadas aos sábados com vinte alunos em duas escolas, cada uma com dez alunos.

Segundo Ronielton Sousa, o principal objetivo do projeto é “estimular o raciocínio lógico em crianças com baixo rendimento escolar”. As expectativas são altas, tanto em relação a melhoria no aprendizado dos alunos, quanto da adesão dos voluntários – qualquer voluntário que queira contribuir com a ação pode participar.

“Muitos alunos deixam as escolas por diversos problemas – especialmente pelo aluno achar que não tem capacidade de aprender, o que está relacionado a vários fatores, entre eles a falta de atenção e concentração”, disse Adriano Cunha, empregado Vale e um dos idealizadores da ação, que já teve experiência como professor de xadrez com deficientes visuais em São Luís, no Maranhão. “Para a minha felicidade eles aprenderam a jogar, e com isso perceberam que poderiam ir além. Até quem tinha parado de estudar voltou para sala de aula, alguns já se formaram e até passaram em concursos públicos”, conta Adriano.

O primeiro grupo atendido pela ação terá aulas ate o dia 22 de setembro, quando os voluntários se reúnem novamente para trocar informações sobre as atividades.

Fonte: Voluntários Vale